sábado, 27 de fevereiro de 2010

Tragédias naturais - o que elas querem nos dizer?

Por Alda Cavalcante Bezerra

Nos últimos dias diversas catástrofes naturais vêm assolando ambientes de diversas regiões do planeta. Presenciamos há bem pouco tempo a desolação dos haitianos com um terremoto gigantesco; também vemos as enchentes e deslizamentos em cidades brasileiras; o temporal e enchente que ceifou vidas na Ilha da Madeira em Portugal, terremoto no Japão; terremoto no Chile com alerta de tsunami na costa do pacífico.

Será que o ser humano continuará desafiando a SOBERANA Mãe Natureza? Será que pensamos que nossos aparelhos de última geração são capazes mesmo de prever e de possivelmente evitar esses desastres? Eu digo que não. Não somos absolutamente nada diante do poder infinito e supremo que rege as leis da vida. Vivemos iludidos pela ganância, querendo extrair mais e mais dos recursos naturais sem lhe devolver nada em troca, sem preservar, sem repor, sem respeitar.

A natureza é capaz de existir perfeitamente sem nós. Ela se faz, se desfaz, tudo em perfeita harmonia sem intervenção humana. A natureza não tem noção de quanto tempo ela precisa, porque está acima disso. Nós somos limitados e NÃO podemos viver sem a natureza.

É tempo de percerbermos nossa vulnerabilidade, voltarmos nossos olhos para o que de fato tem importância nessa vida, que nada mais é do que ela mesma - a vida. E quem sabe ainda haja tempo de deixarmos condições de existência para as futuras gerações.

Estamos todos interligados, o que afeta um afeta todos - é hora de reavermos a consciência e nos reeducarmos para vivermos melhor a cada dia, porque tudo pode acabar de repente num terremoto, numa enchente, numa onda gigante... Pense nisso.

 

enchente

terremoto

tsunami

"A natureza é sábia e justa. O vento sacode as árvores, move os galhos, para que todas as folhas tenham o seu momento de ver o sol."
(Humberto de Campos)

Postar um comentário

Gostou do blog? Alguma informação foi útil para você? Deixe seu comentário para que eu possa melhorá-lo ainda mais.