domingo, 22 de junho de 2014

PROJETO "Brincadeiras Cantadas"

 
Trabalho entregue Unip Interativa
Por: Alda C Bezerra

1. TEMA
Brincadeiras Cantadas/ Cantigas de Roda

2. JUSTIFICATIVA
A música é uma linguagem capaz de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos e está presente em todas as culturas e nas mais diversas situações, sendo umas das formas mais importantes de expressão humana, e especialmente, da infância. Sendo assim, a apreciação e o fazer musical nessa etapa contribui para o desenvolvimento infantil, tornando relevante a sua prática no processo de ensino e aprendizagem para este público.
Segundo a Revista Nova Escola, as brincadeiras de roda desenvolvem os movimentos e a oralidade, além de colaborar com a iniciação musical na pré-escola.
Brincar de roda estimula os movimentos, trabalha o equilíbrio, desenvolve a linguagem oral e contribui para a iniciação musical das crianças na pré-escola, além de ser uma atividade de manifestação cultural.

3. SITUAÇÃO-PROBLEMA
Diante da expectativa do aluno de Educação Infantil em reconhecer o próprio nome e de iniciar o aprendizado da escrita e dos números, temos nas cantigas de roda um recurso de grande valia e significado para inserir as crianças no mundo das letras e seus significados, de maneira lúdica que promova a interação e a participação de todo o grupo nas atividades cantadas.
A música também contribui com a socialização do grupo, e nessa etapa é comum ocorrer desentendimentos onde o egocentrismo ainda se faz presente e não há reconhecimento do espaço do outro como legítimo. As situações de trabalhos em grupo, de forma lúdica, proporciona a vivência e interação entre as crianças, que através das brincadeiras cantadas percebe-se como pessoa de direitos, mas onde também se deve respeitar o outro para uma boa convivência.
Portanto, temos as brincadeiras de roda como meios de intervenção pedagógica para resolver os conflitos de relacionamento que ocorrem nessa etapa de vida da criança bem como a introdução à escrita e reconhecimento de palavras e números.

4. PÚBLICO-ALVO
Educação Infantil de 3 a 5 anos.

5. OBJETIVOS
-Perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos através das cantigas de roda;
-Brincar com a música, imitar, inventar e reproduzir criações musicais;
-Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento do mundo;

6. EMBASAMENTO TEÓRICO
De acordo com o Referencial Curricular para a Educação Infantil, ao longo da sua história, a música vem atendendo a vários objetivos, inclusive alheios às questões próprias dessa linguagem. Tem sido suporte que atende a vários propósitos, tais como a formação de hábitos e atitudes, além de comportamentos: lavar as mãos antes do lanche, escovar os dentes, respeitar o farol etc. Também está presente nas situações relativas a datas comemorativas: dia do índio, dia das mães, dia da árvore etc. Ainda, a música contribui com a memorização de conteúdos relativos a números, letras do alfabeto, cores etc. Normalmente, essas canções vêm acompanhadas de gestos corporais, que são imitados pelas crianças.
As bandinhas rítmicas podem ser usadas para o desenvolvimento motor, da audição e do domínio rítmico. Os instrumentos utilizados por essas bandinhas são os pandeiros, tambores, pauzinhos etc., que por vezes são confeccionados com material inadequado e que não produz uma boa qualidade sonora.
Ainda, de acordo com Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil:

A música está presente em diversas situações da vida humana. Existe música para adormecer, música para dançar, para chorar os mortos, para conclamar o povo a lutar, o que remonta à sua função ritualística. Presente na vida diária de alguns povos, ainda hoje é tocada e dançada por todos, seguindo costumes que respeitam as festividades e os momentos próprios a cada manifestação musical. Nesses contextos, as crianças entram em contato com a cultura musical desde muito cedo e assim começam a aprender suas tradições musicais. (p.45)

O ato de ouvir música, aprender uma canção, brincar de roda, realizar brinquedos rítmicos, são atividades que estimulam e despertam o gosto pela atividade musical e atendem a necessidades de expressão afetiva, estética e cognitiva. Aprender música é integrar a vivencia a percepção e reflexão, caminhando para níveis mais elaborados.
Ao desenvolver o trabalho musical, deve ser considerada sua integração a outras áreas, já que a música é uma linguagem que mantém um relacionamento estreito com outras linguagens igualmente expressivas, tais como o movimento, expressão cênica, artes visuais etc. Daí é possível que se elabore projetos integrados onde vários aspectos possam ser vivenciados.

Resumindo as etapas de descoberta e apreciação musical das crianças, temos:

Crianças de 0 a 1 ano:
A escuta de diferentes sons é fonte de observação e descobertas que provocam respostas. A audição de obras musicais podem manter os bebês calmos, atentos ou agitados.

Crianças de 1 a 3 anos:
Nessa fase, os bebês ampliam os modos de expressão vocal e corporal, articulam e entoam um maior número de sons, reproduzem letras simples, exploram gestos sonoros, batem palmas, pernas, pulam e movimentam-se acompanhando o ritmo da música.

A partir dos 3 anos:
Os jogos de movimentos são fontes de prazer, sintonizados com a musical, integrando gesto, som e movimento. Maior domínio da entoação melódica, memorização de repertório, capacidade de improvisação, reprodução de ritmos simples.
Segundo Rey (1993) A música é um dos melhores meios de expressão e socialização do ser humano e a formação da personalidade não ocorre de maneira espontânea, mas sim de forma organizada e orientada através de ações e atitudes concretas.
Para Maria de Nazaré Cruz (1999), as escolas podem promover atividades que aumentem a autoestima e a auto-eficácia dos estudantes, tornando-os capazes de resolver problemas e desenvolver habilidades sociais. Deve-se propor ao educando uma grande quantidade e variedade de experiências que lhe possibilitem a dinâmica interpessoal num contexto que se priorize a participação e o respeito pelo outro.
A escola como espaço de interação e aprendizagem é o ambiente capaz de proporcionar às crianças experiências diferenciadas onde o grupo possa interagir e praticar atitudes como respeito, compreensão e tolerância entre todos, reconhecendo as diferenças e individualidades.
Alencar (2010) nos fala que as cantigas podem ser consideradas a partir de suas características musicais, poéticas, lúdicas e da sua singularidade enquanto manifestação folclórica, e relacionando-as ao processo de aprendizagem são de grande proveito para a alfabetização.
Almeida (2004) nos diz que o lúdico quando aplicado à prática pedagógica contribui para a aprendizagem da criança e possibilita que o professor seja mais dinâmico em suas aulas ao mesmo tempo em que a criança sinta prazer em participar das atividades escolares.
Depreendemos daí que a música tem importância na formação da personalidade do indivíduo, considerando que ela promove a interação, a manifestação cultural, a oralidade, a percepção e reflexão, a expressão afetiva e o desenvolvimento das habilidades sociais necessárias a esta etapa de vida da criança.

7. PERCURSO METODOLÓGICO

1ª Etapa:
-Escuta de cantigas de roda.
A apreciação musical é uma etapa importante para se desenvolver a acuidade musical.

2ª Etapa:
-Conhecer repertório variado de canções para desenvolver a memória musical.
Cantar desempenha um papel importante na educação infantil, pois integra melodia, ritmo e harmonia, sendo excelente para desenvolver a audição. Ao cantar, a criança imita o que ouve e desenvolve condições a elaborar um repertório de informações que lhe permitirá se comunicar por intermédio dessa linguagem. É importante que as crianças conheçam canções do cancioneiro popular infantil, que estejam adequadas à sua compreensão.
Nesta etapa, as crianças irão ampliar o repertório de canções infantis, favorecendo o desenvolvimento da memória musical.

3ª Etapa:
-Participação em brincadeiras de roda que envolva a dança e dramatizações, interpretação de músicas e canções diversas.
Oportunizando a socialização entre as crianças.

4ª Etapa:
-Participação em brincadeiras e jogos cantados e rítmicos

5ª Etapa:
- Cantigas que envolvam nomes das crianças.
Ex:
Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar
Tirava a fulana
Do fundo do mar.

6ª Etapa:
- Cantigas que contenham a possibilidade de contagem. Ex:
Um, dois, três indiozinhos,
Quatro, cinco, seis indiozinhos,
Sete, oito, nove indiozinhos,
Dez num pequeno bote.

8. RECURSOS
- Repertório de cantigas;
- Cds;
- Vídeos



9. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES







10. AVALIAÇÃO
A avaliação será contínua, através de registros, levando em conta os processos vivenciados pelas crianças, entendendo e respeitando como as crianças se expressam musicalmente e fornecendo meios para que a criança desenvolva sua capacidade expressiva.
A música faz parte das experiências humanas desde a mais tenra infância e tem a capacidade de provocar emoções.
Além disso, tem papel de grande importância no desenvolvimento da linguagem, das interações sociais e da cognição, despertando a criança de maneira prazerosa e lúdica.
O trabalho com cantigas de roda resgata a cultura de uma geração e favorece a ampliação da capacidade expressiva da criança. 

11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALENCAR, SYlvia. A música na Educação Infantil. 4°. Ed. São Paulo: Editora Paternoni, 2010.

ALMEIDA, Marcus, Vinicius, Machado de Almeida. A Ciranda Brasileira. 3°. Ed.
São Paulo: Editora Montreal, 2004.

Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998. 3v.: il.

EUZEBIO, Fabiana de Oliveira e RIBEIRO, Eneida, Maria, Pereira. A importância das cantigas de roda na educação infantil /Fabiana de Oliveira Euzebio e Eneida Maria
Pereira Ribeiro. Serra: Faculdade Capixaba da Serra, 2013. Disponível em: http://serra.multivix.edu.br/wp-content/uploads/2013/12/monografia_cantigas_de_roda.pdf Acesso em: 05 abr. 2014.

CRUZ, Maria de Nazaré. Refletindo sobre as cantigas de roda. 4°. Ed. Rio de
Janeiro: Editora: O portão das letras, 1999.
Revista Nova Escola: Coletânea de Cantigas de Roda. NOVA ESCOLA, Edição 230, Março 2010.

Revista Nova Escola: O que um bom projeto para Educação Infantil precisa ter? Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/creche-pre-escola/palavra-especialista-clelia-cortez-projeto-educacao-infantil-751323.shtml. Acesso em: 05 abr. 2014.
REY, Beatriz. O resgate das cantigas de roda. 3°. Ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1993

 


1 Comentário:

Unknown disse...

Olá, você teria um modelo desse para me enviar? bruna.britomarinho@hotmail.com

Postar um comentário

Gostou do blog? Alguma informação foi útil para você? Deixe seu comentário para que eu possa melhorá-lo ainda mais.